Uma luneta irônica e perscrutadora

Luiz Guilherme Santos Neves

Com o título de “De ‘Oh, Suzana’ a Luz em Agosto, referi-me, nestes Fatos e Coisas criados pelo escritor Pedro J. Nunes, à passagem em 1851, pelo Espírito Santo, do aspirante de marinha Edward Wilberforce, a bordo da corveta inglesa Geyser, na repressão aos navios que contrabandeavam escravos no litoral brasileiro. 

Se retorno à luneta de Wilberforce é para assinalar o tom irônico de algumas de suas observações no relato de viagem que ele escreveu, tom para o qual chamei a atenção no meu texto anterior sem, todavia, maiores esmiuçamentos.

Leia

 

Para maior glória de Deus?

Luiz Guilherme Santos Neves

A história do Brasil se fez com sangue e morticínio, ou não seria História.

Desde a chegada do colonizador português às terras do pau-brasil, nos primeiros embates travados com os nativos da terra já se prenunciava o intenso derramamento de sangue que viria nos capítulos seguintes da dominação lusitana. 

Tome-se por referência a pregação do Cristianismo com o propósito da conversão e salvação dos índios brasileiros que se exteriorizou numa cruzada bélica contra os que não se submetiam à catequese jesuítica.

Leia

 

Uma terra de muitas realezas

Luiz Guilherme Santos Neves

“E, portanto, senhor, do que hei de falar começo e digo” – invoco Pero Vaz de Caminha na carta que escreveu ao rei de Portugal narrando o Descobrimento do Brasil.

Mas não será esta uma narrativa com revelações inéditas, apesar de, ao contrário da missiva do escrivão da frota de Cabral, tratar-se aqui de um punhado de informações que nunca é demais repetir. Até porque implica falar de realezas, como deixa explícito o título que encabeça o texto e conforme se lerá no que se segue.

Aconchegada entre montanhas no sul do Estado do Espírito Santo situa-se Muqui que, antes de ser cidade, era Arraial dos Lagartos. Pelo nome que tinha ainda não chegara ao tempo do esplendor das realezas. Foi com o advento da cultura cafeeira, a partir do século XIX, espalhando-se em torno do antigo arraial, que o lugar passou a ser Muqui, adquirindo grandeza econômica, sem perder, todavia, as características de cidade pequena, que conserva até hoje.

Leia

 

A capixabíssima muma de siri

Fernando Achiamé

A palavra “muma” e a expressão “muma de siri” não constam dos dicionários. Nem do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa – o VOLP, elaborado e mantido pela Academia Brasileira de Letras. Tal realidade se constitui em mais um indício de que essa palavra tem circulação restrita a certas regiões do Estado do Espírito Santo. Esperamos que um dia o vocábulo “muma” esteja dicionarizado. No entanto, os capixabas do litoral, ao menos os que saboreiam as receitas típicas da nossa culinária, sabem muito bem o que significa muma de siri – um delicioso prato. Feito à base de fruto do mar, seu consumo no tempo da Quaresma é mais corriqueiro.

Leia

 

De "Oh, Suzana" a Luz em agosto

Luis Guilherme Santos Neves

Talvez tenha sido no Espírito Santo onde se cantou em inglês pela primeira vez no Brasil a conhecida canção norte-americana “Oh, Suzana, não chore por mim” - e cantada poucos anos depois de composta por Stephen Collins Foster.

O autor – está no Google para quem quiser consultar – foi considerado o "pai da música norte-americana", nascido em 4 de julho de 1826 e falecido em 13 de janeiro de 1864. Suas canções, incluindo “Oh, Suzanna”, "Camptown Races", "My Old Kentucky Home", "Old Black Joe", "Beautiful Dreamer", "Old Folks at Home", "Swanee River" permanecem populares até hoje.  

Leia

 

Antiguidade do artesanato das paneleiras de Goiabeiras, em Vitória

Luiz Guilherme Santos Neves

Já tive oportunidade de escrever que artesão é o João-de-barro, que constrói sua casa no bico. Mas se me restringisse a esta afirmativa estaria sendo profundamente injusto com os demais artesãos e artesãs que usam das mãos para fazer suas belas artes, inclusive as tradicionais panelas de Goiabeiras, em Vitória. E teriam elas todo o direito de se sentir ofendidas. Portanto, apresso-me em dizer que se o João-de-barro é o precursor do artesanato de barro na história do mundo, também é antiga a arte ceramista das paneleiras de Goiabeiras. 

Leia

 

Chove-chuva

Luiz Guilherme Santos Neves

A velha recorrência às procissões petitórias de chuva, lídima herança que chegou ao Brasil via Portugal, foi sendo gradativamente abandonada e esquecida nos grandes centros urbanos brasileiros, tornando-se tradição ultrapassada e até excêntrica.

Não sei se o desaparecido costume ainda persiste em algum rincão do interior brasileiro. Mas, em tempos idos e carcomidos, teve ele presença constante sempre que se instaurava a necessidade de se rogar aos céus e aos santos que fizessem chover a chuva bem-vinda para extinção das secas prolongadas, com suas consequências trágicas, dentre as quais se impunha a falta de alimentos de que se ressentiam as populações afligidas pela escassez das águas da fertilidade.

Leia

 

O relógio de estimação do senhor bispo

Luiz Guilherme Santos Neves

Suponho que fosse um Patek-Phillipe o relógio do senhor bispo, talvez sem a correntinha de ouro para não incorrer no pecado da ostentação.

Mas se fosse um Savonnette ou um Rosskopf também seria de boa prestança para o reverendíssimo D. Pedro Maria de Lacerda, durante suas exaustivas andanças pastorais pelos rincões do Espírito Santo, nos anos de 1880 e 1886.

Leia

 

De Guaraparim a Guarapai

Luiz Guilherme Santos Neves

Guaraparim, como se chamava então, era uma povoação de pescadores, nada mais que isso.  “Quase toda a gente, que é pobríssima, me cheirava a peixe”, escreveu o bispo José Caetano da Silva Coutinho nos idos de 1812, quando por lá esteve em viagem pastoral. Além do peixe, o prelado apurou que o lugar tinha ares muito ventilados, boas águas, horizontes largos, e fama de saúde.

Leia

 

São Pedro do Itabapoana

João Gualberto

Todos devem conhecer aquele sítio tão especial. O que temos como turistas capixabas para desfrutar é o clima ameno, a natureza exuberante, uma população gentil e acolhedora, vários eventos durante todo o ano e, sobretudo, a arquitetura do distrito sede e de pelo menos uma dezena de fazendas do café do fim do XIX. Não é pouco. Posso lhes garantir.

Leia

 

Morte ao bugre

Luiz Guilherme Santos Neves

As profundas transformações decorrentes do estabelecimento da corte no Brasil constituem um capítulo de reviravolta revolucionária na história do nosso país que ainda vivia imerso na placenta paquidérmica do período colonial. Aos efeitos dessas transformações não ficou alheia a então pobre e desprezada capitania do Espírito Santo.  Leia

 

Os primeiros imigrantes do Espírito Santo

Luiz Guilherme Santos Neves

O genial José Carlos Oliveira elegeu o nome do cacique Maracajaguaçu (Gato Grande) como toponímico figurativo de Vitória.

No conto Mistério em Montagnola, incluído no livro Bravos companheiros e fantasmas, editado em 1985 quando o cronista capixaba participava, em seus últimos meses de vida, do projeto escritor-residente da Universidade Federal do Espírito Santo, diz lá pelas tantas o narrador: “Venho de Maracajaguaçu e vou para Heliorama.” Leia

 

François Biard, primeiro caricaturista do Espírito Santo

Luiz Guilherme Santos Neves

De 1858 a 1860, o pintor francês Auguste François Biard percorreu várias partes do Brasil. Dessa visita resultaria a publicação do livro Deux Annés au Brésil, no qual Biard descreve suas impressões de viagem, recheadas com croquis de sua lavra, ilustrados por Édouard Riou, renomado ilustrador daquela época. 

As impressões são destituídas de qualquer compromisso com a informação descritiva e histórica, diferentemente do que fizeram vários outros viajantes que estiveram no Brasil e no Espírito Santo, no século XIX. Leia

 

Um pedaço de história

Fernando Achiamé

A torta capixaba é capixaba. Da gema. Pois nasceu em Vitória. Aos poucos, com timidez, se expandiu para outros locais do Espírito Santo, principalmente os situados em seu litoral. Porém avançou a contragosto. Já o nome capixaba se espalhou por todo o estado e até mesmo para além de suas divisas; em Rondônia, por exemplo. Nosso prato não. É até ignorado no interior. Em Colatina faz-se mais torta de bacalhau, me conta um amigo. E outro garante: os nascidos na região do Caparaó somente conhecem essa especialidade vitoriense depois que saem de lá. Leia

 

Voltar