PRINCIPAL

LEITURA

 

 

 

 


 

 

Resenha do livro Aninhanha, de Pedro J. Nunes

 

Simone Baptista

 

Aninhanha, à primeira vista, parece um livro estranho com uma linguagem diferente. O modo como a narradora se dirige diretamente ao leitor soa como um atropelo de intenções, sem tempo para a protagonista e o leitor respirarem. Tudo é jogado na cara, é como se fosse um vômito. Não há palavras bonitas, não há esperança. Se fosse um filme, seria um filme em preto e branco, sem diálogo, sem cor e sem som. A protagonista não tem nome, não tem voz, é invisível, maldita.

 

O autor não exime de culpa a sociedade, que é retratada de maneira dura. Pedro J. Nunes, capixaba de São José do calçado, cidade do sul do ES, fala do machismo, da mulher tratada como objeto, do determinismo do meio, faz da pobreza uma personagem cruel e usa e abusa de citações bíblicas.

 

O livro é narrado por uma mulher que não tem registro, família, dignidade. Essa mulher chega a acreditar não ser “gente”. Foi encontrada no lixo por Aninhanha, uma catadora de lixo, negra, miserável, bêbada, um pobre diabo que há muito entregou os pontos. A protagonista sem nome vive em um ambiente de miséria e marginalização e se isola do mundo quando percebe o desprezo que desperta na sociedade.

 

Da mesma maneira que Judas, Aninhanha trai a protagonista por trinta moedas e vende sua virgindade para um garrafeiro. Apesar de toda a sua resistência, a narradora sem nome é violentada e fica grávida.

 

Ao saber da notícia e perceber que essa criança representa a continuidade de si e da miséria que vive, a pobre moça enlouquece e num ato de desespero mata o filho recém-nascido. É espancada e presa. Aninhanha, novamente como Judas, se enforca.

 

É assim que retornamos ao ponto inicial do livro, com nossa narradora sem nome contando sua triste história para alguém que pode ser um padre, um advogado, um delegado, eu ou você, porque essa historia horrível possui uma verossimilhança tal que poderia ser qualquer um o interlocutor dessa moça.

 

O livro poderia ser chamado de “o grito dos excluídos”, pois mostra a dor de um pária da sociedade que grita, tardiamente, por socorro.

 

Aninhanha é um livro para ser lido de um fôlego só!

 

 

Clique aqui para acessar o índice e ler outros textos

 

VOLTAR


     © 2005 Tertúlia

     Direitos reservados

Site de utilidade pública, sem fins lucrativos