PRINCIPAL

LEITURA

 

 

 

 


 

 

 

Um resto de sol no desalento

Jorge Elias Neto 

Ocupo-me de uma febre 
sem propósito.
Modos existem
de forjar os dias,
principiar universos,
rir do descomunal
segredo da vida ...
Mas não nessa noite gelada
em que persisto centelha.

Eis a última pele  a palavra 
que se desgarra inapta
a prosseguir 
afirmando
o esplendor da verdade.

 

 

 

 

 

 

 

Clique aqui para ler outros poemas

 

VOLTAR


     © 2005 Tertúlia

     Direitos reservados

Site de utilidade pública, sem fins lucrativos