PRINCIPAL

RECANTO DA POESIA

 

 

 


 

 

 

Os quatro cavaleiros

 

Fernando Achiamé

 

 

Branco

 

Arcos de bambu demarcam a alegria:

São Pedro passeia na Praia do Suá.

Bandeirinhas em papel de seda nos espiam,

presas nos fios do momento.

A fartura de ser simples

lança logo o mal longe.

Sobram dois minúsculos hospitais.

Quem sabe dança quadrilha.

Quem não sabe dança também.

Os ventos nos são propícios.

Mares e nuvens, também.

Para o ano o camarão é certo,

certa a colheita do cação

em espertos pesqueiros.

 

 

Vermelho

 

Existe uma roça e ela tem nome:

Praia do Canto.

Há quem acenda fogueiras

no meio de ruas descalças

onde o bonde anda. Nada

perturba a paz das areias.

Peixinhos coloridos pegam larvas

nas valas a céu aberto.

Tanta manga faz lama.

Travam-se batalhas de rojões

comprados na venda do Zé Pretinho.

Vulcões de artifício, pequenos balões

iluminam a vida da gente.

Junto às brasas dormentes, São João

assa milho e batata doce.

Todo mundo se revê no ano seguinte,

mas não é a mesma coisa.

 

 

Preto

 

Barulhos vêm lá do fundo:

o Centro da Cidade come

carne no coração do Carnaval.

Desjejum na matinê do clube

com fantasia de pirata.

Almoço na rua, os dedos em riste.

Um porre o porre de cuba libre.

Jantar por três noites

no suor da namorada.

Sonha-se muito.

Blocos de sujo passam

a limpo desejos futuros.

Às vezes o pau quebra.

O Parque Moscoso abraça

apertado soldados e donzelas.

Sambamos por mais um ano

disfarçados de rei Momo.

 

 

Amarelo

 

Em Santo Antônio

um Santo Antônio travesso

pula por cima das covas:

a irmã comum de todos

ainda está bem nova.

Padres distribuem fartos

pãezinhos bentos

para colocar na farinha

e espantar insetos.

O santuário inocente

explode em festa.

Projetos de peitos enfeitam

as blusas das meninas.

A canjica já tem amendoim

e dois copinhos de quentão

bastam para colocar um fim

às angústias do ano inteiro.

 

 

Nossas infâncias fracassaram.

Outras crianças vencerão um dia

– Vitória completa – os quatro

horrores há tempos revelados.

 

 

 

Clique aqui para ler outros poemas

 

VOLTAR


     © 2005 Tertúlia

     Direitos reservados

Site de utilidade pública, sem fins lucrativos