PRINCIPAL

LEITURA

 

 

 

 


 

 

Os mamíferos: biografia de uma geração

 

Pedro J. Nunes

 

 

Samuel Johnson, cidadão inglês do século XVIII, e Lêdo Ivo, brasileiro que viveu entre os séculos XX e XXI, não se entenderiam a respeito de biografias. Enquanto aquele estabelecia que “ninguém pode escrever a vida de um homem a não ser que tenha comido, bebido e convivido com ele”, este, bem ao contrário, acreditava que “a maioria dos biógrafos empenha-se em explicar a obra a partir da vida, quando o correto é exatamente o contrário: trata-se de explicar a vida a partir da obra”. Verdade, verdade mesmo, é que nessa sopa há várias colheres, e não há quem se entenda sobre essa questão.

 

Do alto de sua bem constituída reputação literária, depois de publicar meia dúzia de títulos de ficção, é chegada a hora e a vez de Francisco Grijó se aventurar pela biografia, publicando esse aguardado livro Os Mamíferos: crônica biográfica de uma banda insular. Não sei se o escritor capixaba Francisco Grijó conhecia o que pensavam Samuel Johnson e Lêdo Ivo, mas é certo que conhecia, referindo-se às Memórias de um amnésico, do compositor francês Erik Satie, as dificuldades da biografia, o que justifica sua ressalva de que, não sendo biógrafo nem jornalista, preferiu colocar-se na posição de cronista. Cômoda posição? Bem verão os leitores do livro que não.

 

Mas vejam bem em que situação privilegiada se encontra o biógrafo-cronista: se quando dos eventos de que trata esse livro, entre os anos 1967 e 1971, tinha menos de dez anos, ele, pelas mesmas circunstâncias que nos torna a todos insulares – e, lá vai a palavra gasta e terrível, provincianos – bem como pela evolução de seus interesses culturais, bem pode colocar-se na posição de quem comeu, bebeu ou conviveu com a maioria das pessoas que trafega por sua crônica biográfica. Sem contar com o fato de que essas pessoas estão todas por aí, em nossas esquinas tão contíguas, e são todas tremendamente acessíveis. E todas elas, ao longo dos anos que consumiu a escrita do livro, foram ouvidas e consultadas amiúde por Francisco Grijó.

 

De quem estamos falando, afinal? De um grupo de jovens intelectualizados e talentosos que, na transição do final dos anos 1960 para os 1970, embarcaram no projeto de uma banda de rock com o nome Os Mamíferos: Afonso Abreu (voz e baixo), Marco Antônio Grijó (bateria) e Mário Ruy (guitarra). Em torno desse trio de garotos influenciados pela boa música da época, um sem número de gente que produzia, escrevia letras e músicas e oferecia sua simpatia. E cantava, já que Aprígio Lyrio era considerado a voz da banda, apesar de jamais a haver integrado.

 

Os Mamíferos, no entanto, são mais do que informações biográficas de alguns ilhéus desta remota terrinha banhada pelo Atlântico. Francisco Grijó, com moderação – ele mesmo ressalva –, não pôde se “furtar a localizar o leitor no ambiente de fervura cultural e política que foi, justamente, a época em que a banda veio à superfície e lá se manteve” e a referir-se ao ambiente proporcionado pela contracultura, que bem ao tempo instalou-se entre nós.

 

Os Mamíferos: crônica biográfica de uma banda insular chegam bem a tempo de iluminar os nossos dias obscuros. Ao lê-lo, dá vontade de sumir deste tempo e voltar à beleza daquele em que os fatos aí tratados ocorreram. Francisco Grijó, quer queira, quer não, inundou de lucidez e recheou de informações um livro que já nasce fundamental para a compreensão de aspectos de nossa contemporaneidade. Com a vantagem de, tratando-se de biografia, vir adornado da mais vigorosa literatura.

 

 

Clique aqui para acessar o índice e ler outros textos

 

VOLTAR


     © 2005 Tertúlia

     Direitos reservados

Site de utilidade pública, sem fins lucrativos