PRINCIPAL

LEITURA

 

 

 

 


 

 

Doutrina do engrossamento, de Graciano Neves

 

Mendes Fradique

 

Prefácio

 

Há mais de um quarto de século era dada à estampa, numa cidade de província, a primeira edição da Doutrina do Engrossamento, de autoria de Graciano Neves.

 

Feito o sucesso a que o livro por si mesmo se impunha, foi-lhe a edição inteiramente esgotada sem que, entretanto, ao editor, que no caso era o autor, lhe acudisse a ideia de uma segunda tiragem.

 

E eis que trinta e cinco anos após surge a Doutrina do Engrossamento, pode-se dizer que sob todas as características do vient-de-paraitre, totalmente desconhecida dos novos, quase apagada da memória dos velhos, somente esperada com ânsia pelo círculo dos que de perto lhe conheceram o autor e deste gozaram a privança, amaram o caráter, admiraram os talentos, fruíram a cultura, sentiram a obra e ainda hoje a ela e a ele continuam a admirar, a querer, a cultuar.

 

E é precisamente aos que desconhecem a obra e o homem, precisamente a estes é que se dirigem estas palavras singelas, descosidas à guisa de prefácio.

 

Graciano dos Santos Neves, nome quase que de todo desconhecido das letras e das ciências de seu país, e apenas venerado com notabilidade no âmbito modesto da província, foi entretanto, sem que nenhum favor se lhe faça, um dos espíritos mais singulares de quantos constelam o firmamento mental do Brasil.

 

Talento polimorfo, ele foi vigoroso no estilo, profundo no pensamento, erudito no discurso, formoso na maneira, elegante na forma, generoso no conceito, céptico quanto devera sê-lo, sendo quem era no século em que viveu e cuja filosofia espelhou com rara finura.

 

Médico de largo saber, todos os ramos das ciências médicas ou afins lhe eram familiares, e assim compunha a tríade eficiente do biólogo, do patologista e do terapeuta e como tal sabedor de como o ser vivo é, de como ele não é, e de como precisa agir para voltar a ser como é.

 

Biólogo profundo, patologista arguto, terapeuta previdente - eis o médico integral. que ele soube ser em toda a plenitude de sua vocação de esculápio.

 

Acontece, porém, que todo esse vultoso acervo de saber e da aptidão vocacional era-lhe tudo apenas como a faceta meramente profissional de sua riquíssima personalidade. E assim ele reduzia o conceito bacharelático e doutoral dos pergaminhos, de filosofia de vida em que são tidos, ao simples valor profissional que significam.

 

Assim, acomodando a borla e o capelo de doutor em medicina num dos mil e um escaninhos da inteligência, Graciano Neves não deixou vazios os demais. Cultivou as ciências matemáticas, a história, a filosofia, a sociologia, versou com intimidade os clássicos nas respectivas línguas originais e tratou a sua como se vê neste opúsculo satírico a que intitulou Doutrina do Engrossamento.

 

Alma de rara sensibilidade estética, ele amou e fez a música e a pintura sem nenhum constrangimento para qualquer delas. Ainda hoje vivem na memória dos que lhe foram contemporâneos os longínquos e harmoniosos ressoos daquele violino mágico, em que sonharam, ao lado do velho vieux temps, o divino Beethoven, o místico Massenet, o estranho Grieg.

 

E o tempo, essa cruel esponja sem poros, ainda não conseguiu apagar nem amarelecer de todo as lindas aquarelas despretensiosamente largadas a esmo num retalho de canson e encaixilhadas em moldura hedionda na sala de visitas de algum cliente do médico ou admirador do aquarelista.

 

Toda essa complexíssima organização mental viveu e frutificou no ambiente da província, ora na grande aldeia que era o Rio de seu tempo, ora na pequena cidadezinha capitular de sua terra natal ­o Espírito Santo.

 

E é claro que sob a natural asfixia de tão exíguo ambiente procurasse ele respirar por todas as frestas possíveis e imagináveis, como fossem a cátedra, pelo concurso e pela regência, a imprensa, pela sua forma mais agitada que é polêmica, e muito a custo o livro, reduzido à bitola estreita de plaquette, que era quanto permitiam as condições econômicas locais do autor, do editor e do leitor. Tentando fora do âmbito intelectual outro divertículo de expansão de sua personalidade angustiada, ensaiou a política. Para ele isso foi o branco da madeira. Entrou sem esforço e progrediu sem obstáculo. Chegou a ser presidente do Estado, cargo que abandonou sem dizer água vai, numa bela manhã capixaba, enfarado da inconsistência circunjacente, da qual tirou três proveitos: o nojo, a experiência e a Doutrina do Engrossamento.

 

Certa vez entrou num concurso para provimento de uma cadeira de Escola Normal; tirou o primeiro lugar, a que renunciou, pois se ocupara naquela prova pública por não haver outra distração que melhor o entretivesse no viver monótono da província.

 

Quando deputado do Parlamento Nacional, obteve, sempre que falou, silêncio atento e respeitoso a quanto disse.

 

Funcionário técnico do Jardim Botânico, recebeu, em palestras na hora do expediente, a sugestão de reger uma cadeira na Escola Superior de Agricultura. No dia seguinte inscreveu-se. Fez o concurso de Botânica.

Obteve com brilho o primeiro lugar e ocupou a cátedra, onde a morte o veio colher.

 

Sóbrio no falar, recolhido no viver, modesto no trajar, generoso no conviver, polido no tratar, encantador no discorrer, afetuoso no privar, solícito no acudir, ele não podia por vezes evitar que lhe repontasse da pessoa a farpa ferina da sátira sutil, resultante do eterno conflito entre o eu e o não eu, que nem sempre a bondade perdoadora consegue dirimir ou atenuar. Tais farpas, todavia, jamais se eriçaram ao contato dos simples de coração e de espírito, senão à presença dos fátuos e presunçosos.

 

Vivendo e expandindo o miasma do século XIX, ele encarnou a índole divisionista da era da análise, e se embriagou com a cocaína materialista da pandemia experimental.

 

Filho do pai de Augusto Comte com a mãe de Carlos Marx, ele não chegou a definir a própria genealogia filosófica, apendorando-se todavia mais para o lado paterno.

 

E eis em traços rápidos a notícia que importa ao momento sobre esse homem singular que, tendo por laboratório um palácio de govemo de província, e em falta de outra coisa em que se divertir, houve por bem reduzir a corpo de doutrina a sabujice de todos os áulicos junto aos poderosos de todos os tempos.

 

Sem pretender mais do que entreter­-se num inofensivo passatempo, Graciano Neves, reescrevendo a Doutrina do Engrossamento, pôs-lhe tanto de veia satírica quanto daquele fino senso de humor que faz a excelência das literaturas de estirpe. Em verdade se a sátira que acera o opúsculo de Graciano é de boa têmpera, não é menos certo que a ela supera o humorismo de sutilíssimo sabor ateniense, que a nós se nos afigura como o que de mais estimável o livro contém.

 

Porque, insistimos em dizer: no Brasil, apesar de a terra ser "chã e mui formosa", a ponto de "querendo-a aproveitar dar-se-á nela tudo", duas coisas há que nela não lograram medrar com bom viço; ao contrário têm-se dado muito mal: o pronome e o humorismo.

 

De resto o que por aí se chama baratamente de humorismo não passa na realidade de grosseira veia cômica.

 

Humorismo é flor delicada da estufa das supercivilizações, flor de penumbra, que não pode vicejar no húmus quente e selvagem do trópico, de cuja exuberância se ergue, numa erupção ciclópica de instintos vegetais, toda a pré-antrópica e pujante brenha da Amazônia.

 

No Brasil, país criança que ainda não teve de sedimentar estirpes culturais, o humorismo é planta difícil como o edelweiss das geleiras alpinas.

 

Porque afinal o humorismo é um acorde mavioso de mágoa e ironia, segredado ao ouvido da inteligência, e conseguindo apenas fazer sorrir com o sorriso perdoador do bom Dickens, envolvendo sempre a evidência de um fracasso no bálsamo de uma generosidade que só ao espírito é dado possuir e usar.

 

O humorismo é o fruto requintado de vários séculos de dor, sofrida e curada através de instantes heroicos e altemados de miséria e de glória.

 

Eis o que é o humorismo. a que por aí há com o rótulo de humorismo é o espoucar subalterno de veia cômica, escancarando essa coisa ao mesmo tempo hedionda, inefável e trágica que é a gargalhada de um burguês em convulsões da mais viçosa e fecunda boçalidade.

 

Humorismo é néctar do cérebro; literatura cômica é a seiva da medula, a gororoba de pensão da rua Larga, que engorda, enrija, mas não engendra nem o poema nem o perdão.

 

O humorismo tem objeto no contraste direto entre o que é e o que deverá ser. Ora, no Brasil, como em todas as nações de sua idade mental, tudo é precisamente como não deverá ser, de modo que se toma impossível esse contraste e, portanto igualmente impossível o humorismo.

 

Se nós segredarmos ao ouvido alemão de Von Papen que na América do Sul há um país em que se construiu uma grande avenida e que, durante essa construção, o único prédio que ruiu por erro de técnica foi o do Clube de Engenharia, é claro que o fidalgo do Sarre sorrirá à ficção da anedota; mas aqui o caso não é para rir, nem é ficção, mas é verdade, foi o que de fato aconteceu, e contra o que a anedota não pode dar contraste e, portanto, não engendra o sorriso do sense of humour.

 

Já o mesmo não se dá com a sátira, mais medieval, mais troglodítica, fere o topo, embora com anestesia, mas fere objetivamente sem a menor intenção de fazer sorrir.

 

A sátira é romana como os sanhudos latagões de Pompeu; o humorismo é ateniense como os sutis homens do convívio de Péricles.

 

Ora, a Doutrina do Engrossamento contém sátira em ouro de bom quilate, mas excelente sobretudo pelas gemas que nela fulguram e que são os laivos de suave humorismo.

 

A sátira de Graciano castiga os homens; o seu humorismo conversa com os deuses.

 

Seja como for, esse livro codifica a sabujice áulica dos que, desiludidos da força do direito da força, deslizam por um terceiro caminho em busca das delícias do poder.

 

Adulam com tal arte que dela se fazem virtuoses e, como tais, criam um certo mérito de dirimência com que lubrificam a cerviz e exornam perante os pósteros toda a baixeza de sua trajetória política.

 

Assim de muitos diz-se que foram hábeis políticos, quando foram apenas invertebrados ventrigados de humilde condição zoológica.

 

E foi sobre o caráter desta fauna rasteira e por vezes brilhante que o autor deste livro fundou a luminosa filosofia do engrossamento, cujos conceitos e preceitos reduziu a corpo de doutrina, marcando com isso o estigma político de uma época. 

 

Se Graciano Neves vivera hoje, teria escrito por certo um outro livro não menos curioso e muito mais alentado: "Doutrina do despistamento". 

 

Rio de Janeiro, 20 de abril, 1935.

 

MADEIRA DE FREITAS (Mendes Fradique)

 

 


Prefácio da edição de 1935, de Madeira de Freitas. para o livro Doutrina do engrossamento, de Graciano Neves.

 

 

Clique aqui para acessar o índice e ler outros textos

 

VOLTAR


     © 2005 Tertúlia

     Direitos reservados

Site de utilidade pública, sem fins lucrativos